sexta-feira, 19 de setembro de 2014

A força de um abraço

(*) Andréa Zuppini –
andrea_zuppini_02A duração média de um abraço entre duas pessoas é de 3 segundos. Entretanto, os pesquisadores descobriram algo fantástico. Quando um abraço dura 20 segundos, há um efeito terapêutico sobre o corpo e a mente. A razão é que um abraço sincero produz um hormônio chamado ocitocina, também conhecido como o hormônio do amor.
Esta substância tem muitos benefícios na nossa saúde física e mental. Ajuda-nos, entre outras coisas, a relaxar, produz o sentimento de segurança e ainda acalma nossos medos e ansiedades. Este maravilhoso calmante é oferecido de forma gratuita cada vez que temos uma pessoa em nossos braços, uma criança, nossos bichos de estimação, quando estamos dançando com o nosso parceiro ou quando fazemos o papel de ombro amigo nas horas mais difíceis.
As mulheres levam vantagem nessa química. Os hormônios femininos combinados com a ocitocina tornam o hormônio do abraço ainda mais poderoso. De qualquer modo, todos se beneficiam. Com mais ocitocina circulando no sangue, durante uma situação estressante, menos cortisol e adrenalina são jogados no sangue, tornando qualquer situação mais fácil.
E o melhor de tudo: Nada indica que a produção de ocitocina vá diminuindo com o passar do tempo. Na juventude ou na velhice, ela está sempre pronta a entrar em ação. Basta ter um bom motivo.
Lá no consultório costumo abraçar quase todo mundo. Assim as pessoas se sentirão mais próximas a mim. Um dos inibidores da liberação de ocitocina é o medo. Então, se não sei o que você vai fazer, com o que você se importa, há menos chances de que eu libere ocitocina. Transparência é muito importante. Seja aberto, honesto e não minta.
Cada abraço é uma pequena vitória contra o estresse. Na luta diária, outros hormônios que nos deixam em estado de alerta perdem a vez.
abraco_01
Hormônio do abraço
É no hipotálamo, na região central do cérebro, que a ocitocina é produzida. Até pouco tempo atrás, os cientistas sabiam apenas que esse hormônio tinha papel fundamental nas contrações do parto e na amamentação. Mas as pesquisas avançam rápido, e novos enigmas vão sendo desvendados. Por exemplo: animais mais ricos dessa substância tendem a ser mais fiéis em suas relações.
Ocitocina reduz os batimentos cardíacos e diminui a pressão arterial
Um dos grandes estímulos para a liberação de ocitocina é o contato físico. O abraço nada mais é do que contato físico, uma manifestação de carinho, de acolhimento. Isso não vale só entre mães e filhos. Todo e qualquer afeto tem o mesmo efeito. Pode ser entre amigos, parentes, namorados e até com o bichinho de estimação. Amar faz bem ao coração de todo mundo.
(*) Andréa Zuppini é fisioterapeuta especialista em Microfisioterapia com formação internacional pela CFM – Centre de Formation en Microkinésithérapie e diplomada pela Escola de Terapia Manual e Postural do Paraná. (www.microfisioterapiaabc.com.br) – (11) 2889-0106