sábado, 9 de outubro de 2010

Os números são favoráveis a SERRA a medida que está apenas iniciando o segundo turno, a pesquisa indica que 51% dos votos de Marina Silva estão sendo transferidos para SERRA enquanto apenas 22% para DILMA.

É um grande erro analisar que os votos de Marina Silva foram "VERDES", na realidade muitos eleitores analisando os candidatos entenderam que Marina seria uma alternativa, mas não como voto VERDE, mas como uma alternativa dentre candidatos que se apresentaram, um a continuidade o outro o passado.
Agora no segundo turno boa parte dos eleitores está escolhendo um candidato que representa a primeira fase de mudanças, um candidato que se mostra mais confiável e de um ciclo de governo que instalou a estabilidade na economia brasileira e com os mesmos compromissos sociais defendidos pela candidata Dilma, além de  apresentar um horizonte de estabilidade institucional. Quem vota em SERRA não vê alguém que vá se meter em algum tipo de aventura que atente contra a democracia.

09/10/2010 - 17h19 - do portal UOL

Datafolha indica liderança de Dilma com 48% contra 41% de Serra

Maurício Savarese
Do UOL Eleições
Em São Paulo
Divulgada neste sábado (9), a primeira pesquisa Datafolha após o primeiro turno das eleições aponta vantagem da petista Dilma Rousseff sobre o tucano José Serra (PSDB). Se a votação fosse hoje, a candidata do presidente Luiz Inácio Lula da Silva teria 48% do eleitorado contra 41% do oposicionista ex-governador de São Paulo.
Em votos válidos, a ex-ministra-chefe da Casa Civil subiria para 54% contra 46% do tucano. Quatro por cento dos eleitores votariam em branco ou nulo e sete por cento estão indecisos, segundo o Datafolha. Na votação de 3 de outubro, Dilma ficou com quase 47% dos votos válidos contra pouco mais de 32% de Serra.
A pesquisa, divulgada na edição de domingo do jornal Folha de S.Paulo, foi realizada em 8 de outubro, ouviu 3.265 eleitores e tem margem de erro de dois pontos percentuais. O registro no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) leva o número 35114/2010. Os efeitos do retorno do horário eleitoral não foram captados completamente nessa amostragem.
Na sondagem feita entre 1 e 2 de outubro, antes do primeiro turno, Dilma aparecia com 52% das intenções de voto contra 40% de Serra. Os votos brancos e nulos eram 5% e os indecisos estavam em 3%. As perdas da petista não migraram para o rival tucano, mas sim para os votos em branco ou nulo e para os indecisos.
Em relação a essa pesquisa, a petista teve oscilação negativa, mas o adversário dela mal avançou. Na mesma fase da campanha de 2006, quando se enfrentaram Lula e o então candidato do PSDB, Geraldo Alckmin, os percentuais foram parecidos para o governista e para o oposicionista.
Voto cristalizado e Marina
Para 89% dos eleitores, o voto no segundo turno já está decidido. Dez por cento avaliam que podem mudar de posição. Um por cento não sabe. O chamado voto cristalizado é uma das balizas dos candidatos para saberem até onde podem chegar em uma votação. Esse índice é maior no Sul (93%), onde Serra está à frente.
Entre os que votaram em Dilma no 1º turno, 91% pretendem repetir a opção, enquanto cinco por cento trocarão a petista por Serra. Para o tucano, 95% dos eleitores renovarão o voto em 31 de outubro, enquanto dois por cento bandearam para a petista, diz o Datafolha.
Entre os eleitores sem decisão final, há muitos que votaram em Marina Silva (PV) no primeiro turno. Segundo o Datafolha, 51% dos quase 20 milhões de votos dados à ex-ministra do Meio Ambiente migrariam hoje para Serra – mesmo número indicado em sondagens anteriores. Dilma, que chegou a ter mais de 30% nesse eleitorado, soma 22%.
Os simpatizantes de Marina que na véspera do primeiro turno tinham dúvidas sobre o voto no segundo turno eram 4%. Agora são 18%. Nove por cento pretendem anular ou votar em branco, diz o instituto de pesquisa. Para 56% deles, o apoio da candidata derrotada a Dilma ou Serra é irrelevante.
Lula, regiões e renda
A influência de Lula, determinante para a candidatura de Dilma no primeiro turno, é importante para 39% dos eleitores, afirma o Datafolha. A aprovação do governo dele é de 78%, com nota média 8,0 para a sua gestão à frente do Palácio do Planalto. Para 41% dos eleitores, a preferência do presidente é indiferente. Dezesseis por cento não votariam na candidata indicada por ele.
O principal bastião de votos de Dilma é o Nordeste, onde ela tem 62% das intenções de voto – o dobro de Serra. Nas outras regiões, o tucano está numericamente à frente da petista, mas sempre dentro da margem de erro, com exceção do Sul. No Sudeste, onde estão os maiores colégios eleitorais do país, o tucano tem 44% e a petista, 41%. No Norte/Centro-Oeste, o ex-governador tem 46% contra 44% da ex-ministra.
Nas faixas de renda, Dilma tem 52% dos votos de quem ganha até dois salários mínimos (até R$ 1.020), enquanto Serra tem 37%, segundo o Datafolha. De dois a cinco salários (de R$ 1.021 a 2.550), a petista tem 47% contra 41% do tucano. Entre cinco e dez salários (de R$ 2.551 a R$ 5.100), a preferida de Lula tem 40% contra 48% do oposicionista. Levando-se em conta os mais ricos, Serra tem 58% contra 33% de Dilma.