segunda-feira, 23 de agosto de 2010

O ministro de Lula e o embaixador sequestrado: ‘A decisão era de executar’

DO BLOG DE AUGUSTO NUNES




22/08/2010
 às 21:00 \ Direto ao Ponto

O ministro de Lula e o embaixador sequestrado: ‘A decisão era de executar’



Para detalhar o roteiro de um documentário sobre o sequestro do embaixador americano Charles Burke Elbrick, ocorrido em setembro de 1969, o cineasta Silvio Tendler reuniu alguns participantes do episódio numa choperia da Praça XV, no Rio. Como atesta um trecho do vídeo que registrou o animadíssimo encontro dos velhos companheiros, dois sequestradores afirmam com muita ênfase e nenhum constrangimento que, se necessário, o diplomata teria sido assassinado. Ou “executado”, como se deve dizer em comunistês.
Um deles é Cláudio Torres. Gaúcho de Porto Alegre, abandonara a faculdade no Rio e militava no MR-8 quando o embaixador foi capturado. Ficou preso durante sete anos e hoje, aos 65, mora em Teresópolis. Embalado por risos e gargalhadas, Cláudio relata, achando tudo muito divertido, o curto e estranho diálogo mantido com um oficial da Marinha no intervalo da sessão de tortura. O segundo depoente é Franklin Martins, hoje ministro da Comunicação Social. “Não tem dúvida nenhuma: a decisão era de executar”, afirma. Em seguida, com a emoção de quem diz que não foi à praia porque choveu, ressalva: “Felizmente, não chegamos a isso”. O ministro de Lula vive proclamando que não se arrepende de nada do que fez. E avisa que faria tudo de novo.